1 de ago de 2013

23 de maio de 2013


Numa quinta-feira de maio, um dia normal como todos os outros, mas tinha alguma coisa de diferente nessa quinta fria, enfim eu completava 15 anos, uma data tão esperada, como se algo muito bom fosse acontecer. O despertador tocou às cinco horas da manhã, estava dormindo com minha mãe (sim, eu durmo com minha mãe as vezes) e implorei para ela tomar banho primeiro, apenas queria dormir mais, mesmo que fossem apenas dez minutos.  Assim que minha mãe saiu do banho, chegou a hora da tortura, a hora de levantar, de encarar o frio e o dia. Assim que sai do banho bateu aquela brisa gelada que me deixou toda arrepiada até me vestir. Quando estou acabando de me arrumar me deparo com um balão da minnie cantando "Happy Birthday" e com minha mãe pulando de alegria como se esse fosse o meu primeiro aniversário, eu apenas sorri, na verdade queria ter acordado animada assim como ela.

Fomos para Petrópolis procurar naquela rua imensa só de lojas, que eu não sei o nome, um vestido para eu usar no sábado, meu culto de 15 anos, andamos o dia inteiro, comprei umas roupinhas, mas acabei não encontrando nenhum vestido bonito o suficiente para uma aniversariante. Em meio a essas andadas recebi mensagens e telefonemas de feliz aniversário de pessoas que realmente se importam comigo. Mas nem isso conseguiu me deixar animada, meu dia estava cada vez mais terrível. Fomos para rodoviária e então minha mãe ainda tinha que ir na costureira experimentar sua roupa. Chegando lá vesti novamente o conjunto saia e blusa que formavam um vestido que minha mãe mandou fazer para mim, não gostei, aquela roupa não é o meu estilo e fiquei mais chateada ainda porque minha mãe mandou fazer sem nem perguntar o modelo para mim, ela só queria me agradar, mas não temos o mesmo gosto.

Saímos da costureira e fomos para um shopping onde encontrei um pretinho básico de renda e comprei. Já tinha anoitecido, cheguei em casa exausta e vi alguns recados no facebook. Mas nenhum deles eram das pessoas que eu mais esperava. Dia 23 de maio de 2013, quando fiz 15 anos foi horrível, decepcionante. Chorei muito ao chegar em casa e ver que pessoas que eu tanto amam não lembraram de mim, ao menos mandaram um sms ou um recadinho no facebook. Doeu, machucou, mas eu continuo tratando-os bem, pois eles são importantes para mim, mas talvez eu não seja tão importante assim. E assim é que me lembro do dia em que fiz 15 anos,meus olhos se enchem de água automaticamente ao lembrar de quão doloroso foi essa data.

4 comentários:

  1. aqui em Portugal chama-se cerejas :)
    xoxo
    http://myheartaintabrain.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto,,
    Beijinhos com carinho..
    http://sabrinielo.blogspot.com/
    https://www.facebook.com/pages/Sempre-bela/194374084049206

    ResponderExcluir
  3. O jeito que vc escreve é lindo, é como se realmente a gente pudesse sentir, beijos amei! visita? http://ogarotodoespaco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Nossa! Estou estagnado! A Linha do tempo que você construiu foi incrível, consegui sentir cada passo vivido pela personagens desde o momentos onde acordar e começa as tarefas. Mas... essa história é fruto de algo que aconteceu com você?

    http://acessopermitidoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir