5 de jun de 2013

Naquelas noites

Large

 Antes de adormecer, quando não estou muito cansada, tenho um costume muito estranho. De pensar na vida, pensar no que fiz e no que pretendo fazer. E ontem, o sono resolveu não bater à minha porta, afinal ela deve parecer quebrada, assim como meu coração. E daí foi mais uma noite daquelas, de pensar na vida e sonhar um pouco de olhos abertos, olhando para o teto que brilha acima de mim. Sonho demais, faço planos demais e crio expectativas demais. Tudo em excesso! Essas pequenas tarefas antes de cair no soo podem ser alguns de meus defeitos. Com a mesma intensidade que sonho demais, também me decepciono demais e me firo demais. E em meio a tantos ferimentos ultimamente não tenho me reconhecido.

 Meus sentimentos não são mais os mesmos de antes, pelo menos não com aquela intensidade. Parte de mim se foi assim que a angústia e dor me consumirão fazendo uma grave ferida num dos lugares mais sensíveis do ser humano. No coração. Apesar de fazer bastante tempo, sempre penso e repenso nos pontos que errei, não apenas eu, mas no ponto que nós erramos. Sabe aquele ditado que tudo que começa de uma forma errada não dura, pois é, uma das lições que guardei de nós. Percebi também que ficar se culpando não leva ninguém a lugar nenhum. Perdoei, filtrei apenas os bons momentos e deletei todas as melancolias. Afinal, tudo sempre ficará bem no fim. Mas, apesar de fazer bastante tempo, ainda reflito em como posso ter me permitido se apaixonar por um alguém tão frio como você. Para uma coisa você serviu, para eu amadurecer.

Um comentário:

  1. Oi Cris! Me identifiquei muito com seu texto! Comigo também acontece assim,passo as madrugadas pensando na vida, principalmente quando a gente tem alguma coisa no coração e na cabeça, néh! Adorei. Bjoos :)

    http://www.simplesformalidade.com/

    ResponderExcluir